Resistência: Olhe Para o Futuro

Resistência: Olhe Para o Futuro
“Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória” (2 Coríntios 4:17).

É muito mais fácil suportar provações quando valorizamos o futuro ao invés do presente.

Alguns anos atrás, os populares filmes De Volta para o Futuro lidavam caprichosamente com a possibilidade de viajar no tempo, que sempre envolvia entrar no futuro. O tema recorrente era que, com todas as complicações de adulteração do futuro, era melhor viver no presente. Os espectadores podem inferir que, em última análise, não vale a pena insistir muito no futuro.

$ads={1}

Isso é exatamente o oposto da atitude do apóstolo Paulo em relação ao futuro. Ele lidava com as profundas certezas do que espera todos os crentes na vida futura. Para Paulo, o valor do futuro era outro motivo importante para ele suportar os sofrimentos e as provações da vida. A dor temporal para ele e para nós é irrelevante em comparação com o que nos espera no céu (Romanos 8:18).

As tribulações são inevitáveis, e a dor associada a elas pode ser muito intensa, mas, quando comparadas com o que desfrutaremos no futuro, dificilmente importam. Paulo as via como tribulações leves, ou literalmente "sem peso". Ele sabia que o verdadeiro significado delas é apenas como elas contribuem para a nossa glória eterna.

Essa contribuição é tudo menos trivial. Em vez disso, produz "um peso eterno de glória". Com relação a essa expressão, é como se Paulo visse uma escala antiquada de dois lados que estava sendo inclinado a favor do futuro pela massa cumulativa ("peso eterno de glória") de seus sofrimentos individuais. Paulo poderia suportar a dor das provações atuais quando tivesse certeza de que elas contribuíam positivamente para sua vida no céu.

A quantidade de provações e sofrimentos que você e eu suportamos agora também está diretamente ligada às nossas recompensas eternas. Essas recompensas não são bônus externos, como coroas mais sofisticadas, roupas melhores ou mansões celestiais maiores. Em vez disso, elas se referem à nossa maior capacidade de louvar, servir e glorificar a Deus. Isso atendeu ao maior desejo de Paulo e permitiu que ele perseverasse com alegria nas provações, e deveria fazer o mesmo por nós.

Peça a Deus que lhe dê uma perspectiva que considera todas as provações triviais à luz das recompensas eternas.

Leia Romanos 8:18-25

Até que ponto os efeitos do pecado e do sofrimento se estendem?

O que Paulo diz sobre a esperança nesta passagem?

Postagem Anterior Próxima Postagem