O Caminho da Bênção

Texto: Ageu

“Considerai os vossos caminhos”. Muitas pessoas consideram a religião uma inspiração irracional, mas a verdadeira religião requer reflexão. Jesus disse: “Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça”. O caminho da bênção é o caminho de Deus, e é nossa responsabilidade encontrar o caminho de Deus e andar nele. Precisamos examinar como vivemos e então considerar o caminho de Deus, porque o caminho dele é o caminho da verdadeira paz, prosperidade, poder, alegria e esperança. No livro de Ageu descobrimos que o caminho da bênção não é nosso, mas de Deus.

Ageu é o segundo livro mais curto do Antigo Testamento. O nome vem da palavra hebraica hag, que significa festa, então Ageu poderia significar festa. Deus falou através de Ageu depois de anos lidando com seu povo Israel.

Uma Breve História

Séculos antes da época de Ageu, Deus falou a Israel e disse que eles deveriam ter o cuidado de observar a aliança que ele fez com eles no Monte Sinai. Nos últimos capítulos de Levítico e Deuteronômio, há uma ameaça de punição severa por negligenciar esta aliança. Mas pensando que poderiam quebrar a aliança de Deus impunemente, o povo de Israel rejeitou a aliança e o Senhor da aliança. Então Deus, que é longânimo e paciente, tardio em irar-se e abundante em misericórdia, enviou profetas, um após o outro, para lembrar seu povo de sua obrigação de obedecê-lo.

Mas o povo de Deus rejeitou as exortações dos profetas. Em 606 a.C. os exércitos de Babilônia vieram e levaram várias pessoas, incluindo Daniel, Hananias, Misael e Azarias, para o exílio. Houve outra deportação em 597 a.C. e finalmente, em 586 a.C., a ameaça de Deus teve seu cumprimento e o belo templo que Salomão construiu foi queimado e destruído. O povo de Deus foi levado para um cativeiro que Deus, através de Jeremias, disse que duraria cerca de setenta anos.

Deus também disse que levantaria um rei chamado Ciro. Muito antes de Ciro nascer, Deus falou em Isaías 44:28 e 45:13 que ele levantaria um rei pagão que cumpriria suas ordens. Ciro era um rei menor em Ansã em Elam, mas conquistou a Pérsia em 549 a.C. e Babilônia em 539 a.C. Em 538 a.C. Ciro emitiu um decreto permitindo que os judeus retornassem à Palestina para construir o templo do Senhor. Nos primeiros quatro capítulos de Esdras, lemos que 50.000 pessoas voltaram sob a liderança do governador Zorobabel e do sumo sacerdote Josué.

As pessoas que foram em 538 rapidamente construíram um altar e, de 538 a 536, trabalharam para lançar as bases do templo. Então começou a oposição. Isso também acontece conosco. Quando começamos a fazer a obra de Deus, Satanás se opõe a nós. Quando queremos servir a Deus, haverá oposição, seja de nosso vizinho, de nosso patrão ou de nossa família.

Em Esdras 4, lemos que o povo local, que eram samaritanos, levantou tanta oposição que Zorobabel, Josué e o povo ficaram desanimados e pararam de construir. Eles pararam de buscar a vontade de Deus e fazer a obra de Deus. Eles provavelmente pensaram: “Talvez Deus não queira que façamos isso. Se Deus realmente quisesse que fizéssemos isso, ele teria cuidado dessa oposição”. Que pensamento tolo! O que eles deveriam ter feito era confiar em Deus, que os enviou com o propósito de construir o templo e adorá-lo. Eles podem ser contrastados com Neemias que foi mais tarde para construir o muro. Ele enfrentou contínua oposição, mas confiou em seu Deus e se recusou a interromper sua atividade espiritual.

Essas pessoas ficaram desanimadas e acharam que não era hora de construir. Era hora de construir, mas eles se entregaram ao medo e à incredulidade. A partir de 536 a.C. a partir daí começaram a perseguir seus próprios interesses, concentrando suas energias em tornar suas próprias vidas seguras — isto é, em ganhar dinheiro e construir casas. E não eram apenas casas — eram luxuosas, com painéis. Durante este tempo, a oposição parou. Satanás não se oporá a você se você não estiver fazendo a obra de Deus. Satanás quer que construamos casas, ganhemos dinheiro e façamos o que quisermos, mas ele se oporá a nós no momento em que fizermos a obra de Deus.

Então essas pessoas construíram suas casas, mas falharam em sua missão. Não confiando em Deus, eles foram e cuidaram de seus próprios interesses egocêntricos. Seguiram-se então dezesseis anos de pura negligência espiritual. A casa de Deus estava em ruínas, exatamente o que Satanás queria. Ele quer que nossa vida espiritual seja um desperdício e uma ruína. Mas Deus é fiel à sua promessa de aliança, e em 520 a.C. Quatro profecias vieram a Ageu, a quem o Senhor dos Exércitos levantou e enviou a Zorobabel, o governador, a Josué, o sumo sacerdote, e ao povo.

Repreensão

A primeira palavra de Deus foi repreensão. Ageu 1:2: “Assim fala o Senhor dos exércitos, dizendo: Este povo diz:…”. Observe, Deus não está dizendo “meu povo”. Há uma certa repreensão até mesmo no endereço. O que eles estavam dizendo? Eles estavam legitimando sua busca de paz e riqueza pessoal com esta declaração: “Não veio ainda o tempo, o tempo de se edificar a casa do Senhor”.

Eles provavelmente pensaram que se fosse o momento certo, não haveria oposição. No entanto, nunca buscaremos interesses espirituais se esperarmos pela ausência de oposição. Satanás odeia nossas buscas espirituais e se oporá a elas vigorosamente. A Bíblia diz: “Agora é o tempo aceito, agora é o dia da salvação…. ” (2 Coríntios 6:2), “Hoje, se ouvirdes a voz de Deus, não endureçais o vosso coração…” (Hebreus 3:7, 8, 15) Hoje é o tempo de Deus para mudarmos, para construirmos casa de Deus, para buscar interesses espirituais.

No versículo 4, Deus perguntou: “Acaso é tempo de habitardes nas vossas casas forradas, enquanto esta casa fica desolada?”. Esta é uma pergunta para nós. Estamos ganhando dinheiro, construindo casas e nos sentindo poderosos quando nossas vidas espirituais estão em ruínas e desperdiçadas? Muitas pessoas são como os tolos de Lucas 12 e Lucas 16, que trabalham muito para que possam dizer às suas almas que comam, bebam e sejam felizes por muitos dias. Mas esses tolos não buscaram a Deus. Eles são ricos em termos das coisas deste mundo, mas não são ricos para com Deus. O que acontece quando suas almas são exigidas deles?

Que dizer dos cristãos que estão interessados ​​em paz e prosperidade pessoais, enquanto as coisas espirituais são como pesos de chumbo amarrados aos pés? Eles não estão realmente orando ou adorando a Deus diariamente. A eles o profeta diz: Vocês têm prioridades erradas. A prioridade certa é buscar primeiro o reino de Deus, não construir sua própria casa. Deus não se opõe às casas, mas se opõe a qualquer coisa que façamos à custa de buscarmos a Deus primeiro.

Então, Deus repreendeu seu povo: “Considerai os vossos caminhos”. O cristianismo não é essencialmente uma religião emocional cujo propósito é nos fazer sentir bem. Nosso Deus é um Deus que pensa. Ele é sabedoria, conhecimento e entendimento. Deus nos criou à sua imagem, com mentes para pensar em nossos problemas e mudar o que não está de acordo com as prioridades de Deus. Deus queria que seu povo examinasse seus caminhos, que eram perigosos, egocêntricos e errados. Assim, cinco vezes, em Ageu 1:5, 7; 2:15 e duas vezes no versículo 18, Deus disse ao seu povo para pensar. O cristianismo é uma religião intelectual, e precisamos estudar a Bíblia e pensar. Essas pessoas abandonaram Deus por dezesseis anos, cuidando de seus próprios interesses por causa de problemas, deixando de perceber que sempre que fizermos a obra de Deus haverá problemas. Após sua repreensão, eles pensaram com cuidado e concluíram que Deus os havia enviado para construir sua casa e adorá-lo e que, quando fizessem isso, ele os abençoaria. Eles perceberam que precisavam confiar em Deus, que os havia comissionado, para livrá-los de seus inimigos.

Então, em Ageu 1:7-8, Deus disse: “Considerai os vossos caminhos. Subi ao monte, e trazei madeira”. Esta foi uma ordem, não uma sugestão. Havia cedros lá, mas o povo os levou para construir suas próprias casas. Quando as pessoas são egocêntricas, elas pegam o que é de Deus, usam para si mesmas, colocam alguns reais na oferta e se sentem bem. Mas qual é o propósito principal do homem? É glorificar a Deus e desfrutá-lo para sempre. Glorificar a Deus significa obedecê-lo como um filho obedece a seu pai. Se um filho diz: “Honro meu pai, mas não farei o que ele diz”, ele não o está honrando. Nosso propósito na vida é primeiro descobrir a vontade de Deus e fazê-la, assim honrá-lo, e em segundo lugar, desfrutar de Deus, que é um subproduto de colocá-lo em primeiro lugar em nossas vidas.

Deus repreendeu a adoração deles. Em Ageu 2:11-14 Deus disse ao povo que enquanto a santidade não é contagiosa, o pecado é. Porque seus corações eram pecaminosos, tudo o que eles fizeram por dezesseis anos em termos de adoração foi contaminado e Deus nunca aceitou isso. Pensamos que qualquer adoração será aceita por Deus, mas a adoração deve ser oferecida a Deus com um coração puro e limpo. Que repreensão!

Então Deus explicou que ele mesmo havia amaldiçoado seus esforços. Quando buscamos nossos próprios interesses às custas dos de Deus, ele vai lidar conosco. Então Ageu 1:6 diz: “Tendes semeado muito, e recolhido pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para o meter num saco furado”. Em Ageu 1:9, diz: “Esperastes o muito, mas eis que veio a ser pouco”. As pessoas pensavam que a colheita de cada ano seria abundante, mas na realidade eles obtiveram pouco, e aqui Deus assumiu a responsabilidade. Deus tocará nossa economia, nossa saúde e tudo mais até chegarmos a um lugar onde nos humilharmos diante de Deus e buscarmos primeiro seu reino e sua justiça.

Veja o capítulo 1, versículo 9: “e esse pouco, quando o trouxestes para casa, eu o dissipei com um assopro”. E o versículo 11: “E mandei vir a seca sobre a terra”. Deus está no controle de todas as coisas. No capítulo 2, versículo 17, ele disse: “Feri com praga toda a obra das tuas mãos…”. Se negligenciarmos a prioridade do reino de Deus, ele amaldiçoa todos os nossos esforços. Veja o final do versículo 9 do capítulo 1: “…enquanto correis, cada um de vós, à sua própria casa”. Jesus disse que os pagãos correm atrás das coisas do mundo. Mas e nós? Estamos correndo atrás de nossos próprios interesses, despejando todas as nossas energias em nossos filhos, nosso trabalho, nossa educação, nossa vida social e nossos investimentos enquanto a casa de Deus está em ruínas e em declínio?

Avivamento

Então Deus repreendeu seu povo, e então houve avivamento. Não importa o quanto Deus possa nos repreender, a menos que ele nos reviva, não seremos capazes de responder. Deus deve mover-se no centro do nosso ser, motivando-nos e cansando-nos das coisas deste mundo para que busquemos verdadeiramente aquele que é o Desejado de todas as nações.

Observe o que Ageu 1:14 diz: “Então o Senhor despertou o espírito de Zorobabel … o espírito de Josué … e o espírito de todo o restante do povo”. O Senhor deve nos estimular nas coisas espirituais e nos mostrar a futilidade de buscar as coisas deste mundo. Ele deve nos fazer detestar tais atividades, e nos fazer amar a ele e ao seu reino, que é justiça, paz e alegria no Espírito Santo.

Isso significa que ele agita nossos corpos? Não. Para fazer a vontade de Deus, precisamos ser estimulados em nossas mentes, espíritos, emoções e vontades. Filipenses 2:13 diz: “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor, porque Deus é quem opera em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”. Esse é o pensamento reformado, que vamos trabalhar o que ele trabalhou dentro de nós - pensar seus pensamentos, querer sua vontade e fazer sua obra. Precisamos orar: “Ó Deus, ajuda-me a examinar meus caminhos. E Deus, eu não posso nem fazer isso até que o Senhor incite meu espírito em coisas espirituais e coisas eternas”

Veja a promessa do Senhor em Ageu 1:13. “Eu sou convosco, e diz o Senhor”. Ele estava dizendo a eles para não se preocuparem com os samaritanos ou qualquer oposição. Precisamos entender que seu nome é Emanuel, que significa Deus conosco, travando nossas batalhas, energizando-nos e capacitando-nos e agitando nossos espíritos. Só Ele é nosso refúgio e nossa força. Esta não é apenas uma ideia de Deus, mas o Deus vivo e verdadeiro que criou e sustenta todo o universo e sem cujo comando nenhum pardal pode cair no chão. Este Deus está conosco. Este fato foi declarado duas outras vezes em Ageu 2:4-5. Então Deus estava dizendo ao seu povo para confiar e depender dele.

Isso é avivamento. Veja o encorajamento do Senhor em Ageu 2:4: “Mas agora, sê forte, ó Zorobabel...”. Ele não quer dizer ser forte em sua própria força. Aquele que é forte é aquele que diz: “Eu sou fraco”. (2 Coríntios 12:10). Deus estava dizendo que porque eles reconheceram que eram fracos, Sua força entraria neles, capacitando-os a fazer a Sua vontade. Então ele disse novamente: “Seja forte, ó Josué”, e: “Seja forte, todos vocês”. Essa força era para fazer a obra de Deus. Ageu 2:5 diz: “Não temas”. Por quê? Com Deus não havia nada a temer.

Então Deus falou sobre coisas futuras. Ao olhar para as ruínas, as pessoas se lembraram da glória do antigo templo, mas Deus lhes disse que a glória do novo templo seria maior do que a do antigo. A glória do antigo templo era a glória de Shekinah, a glória da presença de Deus, conforme registrado em Isaías 6, mas através de Ageu Deus disse que a glória do novo templo seria maior, e foi, na medida em que o próprio Senhor Jesus Cristo veio a este novo edifício como lemos em Lucas 2:29-32.

Ageu também recebeu uma tremenda visão da segunda vinda de Cristo. O capítulo 2, versículo 7 diz: “Abalarei todas as nações…”. Este Deus que está com eles, que diz: “Seja forte” e “Não tenha medo”, é o Deus que pode abalar todas as nações. Somente Jesus Cristo, o Filho de Deus, abalará todas as nações. E em Ageu 2:22 ele diz: “e derrubarei o trono dos reinos, e destruirei a força dos reinos das nações”. Deus estava dizendo a eles para não terem medo, porque ele é o Deus que destruirá todos os reinos do mundo, e somente seu reino é inabalável. Daniel recebeu uma visão disso em Daniel 2, onde ele viu uma pedra não cortada por mãos humanas destruindo todos os poderes deste mundo. E Apocalipse 11:15 diz: “O reino do mundo se tornou o reino de nosso Senhor e do seu Cristo”.

Então Deus reavivou o seu povo, dizendo: Esforça-te. Não tenham medo. Eu estou convosco. Meu Espírito está com vocês. Tragam madeira, construam minha casa, sacrifiquem-me, adorem-me e eu os abençoarei.

Resposta

A resposta do povo foi quase imediata. Em Ageu 1:12 diz: “Então Zorobabel, filho de Sealtiel, e o sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, juntamente com todo o resto do povo, obedeceram a voz do Senhor seu Deus”. Eles não disseram: “Bem, isso é apenas Ageu dando sua opinião”. Eles creram na palavra do Senhor. Essas pessoas agora obedeciam e temiam ao Senhor. Lemos em Jeremias 32:40 sobre o temor piedoso e benéfico de Deus entrando em nosso ser para nos fazer obedecer a Deus. Assim, em Ageu 1:14-15, lemos que o povo “começou a trabalhar na casa do Senhor Todo-Poderoso, seu Deus, no vigésimo quarto dia do sexto mês”. Vinte e três dias após a primeira profecia eles começaram a construir.

Veja Ageu 2:19: “Está ainda semente no celeiro? A videira, a figueira, a romeira, e a oliveira ainda não dão os seus frutos?”. Mas então Deus disse: “Desde este dia hei de vos abençoar”. Nós temos uma escolha. Podemos perseguir nossos próprios interesses e não ter frutos; podemos deixar de buscar a Deus e produzir pouco, apenas para que Deus o destrua, ou podemos crer em Deus e fazer o que Deus diz. E Deus disse ao seu povo que a partir do dia de sua obediência e compromisso de fazer a vontade dele... daquele dia em diante ele os abençoaria. Deus colocou sua assinatura em sua promessa.

O Caminho da Bênção

Qual é o caminho da bênção? É buscar o reino de Deus e fazer o que ele diz. Esta é uma declaração surpreendente: “Desde este dia hei de vos abençoar”. Deus os desafiou a escrever a data. No momento em que uma pessoa entrega sua vida a Jesus Cristo, crendo em Deus e obedecendo-o, Deus Todo-Poderoso diz: “Desde este dia hei de vos abençoar”. Marque esse dia!

Deus fez o que disse? Veja Esdras 6:14-15: “Assim os anciãos dos judeus iam edificando e prosperando pela profecia de Ageu o profeta e de Zacarias, filho de Ido. Edificaram e acabaram a casa de acordo com o mandado do Deus de Israel, e de acordo com o decreto de Ciro, e de Dario, e de Artaxerxes, rei da Pérsia. E acabou-se esta casa no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado do rei Dario”.

Após cinco anos de construção, o povo completou o templo em 516 a.C., sem faltar nada durante esse período. Observe Ageu 2:8, onde Deus disse: “Minha é a prata, e meu é o ouro”. O povo não se preocupou com gastos, Deus providenciou tudo para a realização de sua obra, e por fim celebraram a Páscoa com grande alegria.

O que Ageu nos ensina? Como naqueles dias, Deus está falando conosco agora, nos dizendo para servi-lo hoje. Podemos estar pensando: “Oh, eu servirei a Deus, mas ainda não é a hora”. Se pensarmos assim, esse tempo nunca chegará. Não temos garantia de que viveremos outro dia. Precisamos pensar com cuidado e examinar nossos caminhos para ver se estamos promovendo nossos próprios interesses particulares ou os de Deus. O rico tolo tornou-se muito religioso no inferno, desejando ouvir a palavra e falar a seus irmãos sobre Deus. Mas não havia outra oportunidade. Ele havia desperdiçado toda a sua vida na busca do prazer e do poder mundano.

Vamos considerar nossos caminhos e construir a casa de Deus primeiro! Vamos cultivar a vida espiritual e viver uma vida centrada em Deus. Vamos começar a colocar o Senhor em primeiro lugar hoje. Somente este é o caminho da bênção.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem